Olhar Certo / 27/02/2020 / Dicas

Exame de fundo de olho: como é feito e para que serve?

É possível identificar doenças como hipertensão, distúrbios renais, diabetes e até alguns tipos de câncer pela observação do fundo do olho, você sabia? Inclusive, essa análise pode ainda prevenir que pacientes diabéticos fiquem cegos com a evolução da enfermidade. Apesar de ser um procedimento de rotina, existente há muitos anos, o exame de fundo de olho ainda é esquecido por muitas pessoas. 

O exame verifica a retina central, periférica, os vasos sanguíneos e artérias oculares, bem como o disco óptico e a mácula, que é a região responsável pela visão central do olho. O procedimento recebe esse nome por verificar exatamente a saúde pelo fundo do olho do paciente.

Se você ainda não está familiarizado com esse tipo de teste ocular, continue a leitura e entenda como ele funciona!

Como o exame de fundo de olho é feito?

Também conhecido como mapeamento de retina ou fundoscopia, o exame de fundo de olho reflete a saúde do paciente por meio da observação dessa área ocular, que permite uma visualização bastante detalhada do nervo óptico. Ou seja, muitas doenças  mesmo as que não têm relação direta com os olhos  ainda não sinalizadas pelo paciente podem ser diagnosticadas por meio desse exame simples, rápido e indolor.

Para iniciar o procedimento, é feita a dilatação da pupila com um colírio específico. Isso acontece porque a pupila deve estar em tamanho maior do que o normal para garantir que o oftalmologista consiga ter uma visualização melhor do local. E como ela se contrai na presença da luz, o colírio permite que ela permaneça dilatada durante todo o exame. 

Após 20 minutos, a pupila já estará dilatada o suficiente e o médico poderá fazer uma das duas formas do exame: a direta, que é quando se tem uma visão abrangente e focada no nervo óptico ou a indireta, que proporciona uma visualização mais ampla da retina, inclusive do campo periférico.

A partir daí, o especialista coloca uma luz sobre o olho do paciente, observando-o com uma lente. Após investigado o fundo o olho, o paciente aguarda o efeito do colírio passar, pois pode haver desconforto visual para a realização de atividades básicas pelos minutos seguintes. O teste é simples e não há contraindicações

Em quais casos devo fazer esse exame e em qual frequência?

Trata-se de um procedimento que deve ser feito anualmente por pacientes saudáveis durante os exames de rotina. Especialistas ainda alertam para a necessidade de sua realização já quando o bebê nasce, devido à alta capacidade de detecção de doenças. Contudo, em pacientes diabéticos ou com enfermidades específicas, esse período pode ser menor — depende da recomendação médica.

Qual especialista deve realizar o procedimento?

É importante que o teste seja realizado com um oftalmologista de confiança. Ele é o profissional responsável pela realização de exames primários e mais aprofundados da saúde ocular, capaz de diagnosticar alterações visuais patológicas, como o glaucoma e a catarata, por exemplo. Vale reforçar que os cuidados com os olhos devem ser tomados periodicamente, assim como acontece com o restante do corpo.

No entanto, muitas pessoas negligenciam esse dever e não vão ao oftalmologista todo ano. Inclusive, o exame de fundo de olho é desconhecido por muitos até hoje. Além de procurar o especialista, é fundamental ser atendido por clínicas especializadas e tradicionais no mercado, afinal, a sua saúde merece o melhor.

Aproveite para se aprofundar um pouco mais sobre o assunto e conheça os principais tipos de doenças oculares.

Saiba mais

Interessou-se sobre o assunto?
Entre em contato conosco e converse
com um oftalmologista da nossa equipe!

Entre em contato
Últimas Postagens